Análise do pulmão de pessoas que morreram da Covid-19 traz pistas para novos tratamentos

Foto: Divulgação/Senai Cimatec

Pesquisadores dos Institutos Nacionais de Saúde (NIH) dos Estados Unidos descobriram tendências que podem ajudar a desenvolver novos tratamentos para a Covid-19 após a análise do pulmão de pessoas que morreram em decorrência da Covid-19.

Quase dois anos desde o início da pandemia, os cientistas ainda desvendam como funciona o novo coronavírus (SARS-CoV-2) no organismo das pessoas. O estudo, feito por meio da autópsia pulmonar e da análise de amostras de plasma dos cadáveres de vítimas da doença, aponta um novo caminho.

No artigo publicado recentemente na revista Science Translational Medicine, os pesquisadores do NIH escrevem que as intervenções “podem reduzir o número de pacientes gravemente enfermos que requerem cuidados intensivos e ventilação mecânica, bem como limitar o número de indivíduos que apresentam comprometimento da função pulmonar a longo prazo”.

De acordo com informações do jornal O Globo, para chegar a essa conclusão, a equipe analisou amostras de pulmão de 18 cadáveres e amostras de plasma de seis desses casos.

As descobertas incluem detalhes sobre como o novo coronavírus se espalha nos pulmões, manipula o sistema imunológico, causa trombose generalizada e tem como alvo as vias de sinalização que promovem insuficiência pulmonar, fibrose e comprometem reparação de tecidos.

Fonte: Bahia.ba