Se perdurar, teremos consequências, diz Sindicombustíveis-BA sobre paralisação de tanqueiros

 

O presidente Sindicombustíveis Bahia, Walter Tannus, disse ao Metro1 que ainda é cedo para avaliar se o estado poderá sofrer desabastecimento diante da paralisação iniciada nesta quinta-feira (21) por caminhoneiros tanqueiros — motoristas que transportam combustíveis.

Ele admite, no entanto, que o movimento poderá trazer transtornos. “Se perdurar, teremos consequências maiores”, diz Tanus.

Até agora, a paralisação tem adesão em estados de São Paulo, Minas Gerais, Espírito Santo, Goiás e parte da Bahia.

A categoria reivindica a redução dos preços do diesel, gás de cozinha, gasolina e outros derivados do petróleo.

O ato, contudo, não conta com a participação de associações e sindicatos de trabalhadores, que já articulam uma grevea nacional para o dia 1° de novembro.

*Reportagem Metro1