Polícia acha vasta coleção nazista ao prender suspeito de estuprar menor

                                   Foto: Divulgação/Polícia Civil do Rio/UOL

 

A Polícia Civil do Rio prendeu ontem um homem de 58 anos, suspeito de estupro de vulnerável contra um menino de 12 anos, em um condomínio em Vargem Grande, na zona oeste da cidade. No apartamento dele, equipes da Delegacia do Recreio dos Bandeirantes se depararam ainda com vasto material nazista, que se estima valer milhões de reais.

 

Entre os itens havia 12 fardas originais, bandeiras, um quadro de Adolf Hitler, recortes de jornal dos anos 1950 sobre o nazismo e fascismo, medalhas do Terceiro Reich, capacete militar, e um documento da SS (Schutzstaffel) – organização paramilitar ligada ao partido nazista, com a foto do suspeito. Além disso, foram apreendidas armas, munições e e material pornográfico.

A polícia chegou até o suspeito após a denúncia de um vizinho. A partir do registro, policiais da 42ª DP apuraram que o suspeito tentava agarrar crianças dentro do condomínio, localizado na Estrada do Rio Morto.

Foi cumprido um mandado de prisão temporária por estupro de vulnerável e um mandado de busca e apreensão expedidos pelo Plantão Judiciário da capital.

Segundo o delegado Maurício Armond, o homem foi preso em flagrante pelos crimes de porte ilegal de arma de fogo, porte ilegal de arma de fogo de uso restrito, armazenamento de material pornográfico infantil e discriminação racial. Segundo as leis brasileiras, pode ser preso por um a três anos quem fabricar, comercializar, distribuir ou veicular símbolos nazistas.

À polícia, o suspeito disse que o material encontrado no imóvel dele está avaliado em três milhões de euros (R$ 19 milhões).

“Foi a primeira vez que encontramos um material nazista com todo esse volume, itens, valor material e histórico. Nos espantou a quantidade de itens e detalhes encontrados”, disse o delegado Maurício Armond, ao UOL. Segundo a polícia, o suspeito ainda não tem defesa constituída e, por isso, não será identificado na reportagem inicialmente.

 Foto: Divulgação/Polícia Civil do Rio/UOL

Os agentes investigam a ligação do suspeito com grupos nazistas e com pessoas que fariam transações e negociações desse produtos. Uma farda nazista de alta patente pode custar cerca de 250 mil euros (R$ 1,6 milhão) num mercado voltado a esse tipo de produtos, segundo a polícia fluminense.

“Ele nega que venda os produtos, mas vamos tentar desvendar de onde vem esse material. Algumas peças têm etiquetas de leilões e essa pode ser uma boa pista”, afirmou Armond, à agência Reuters. “Ele é uma pessoa inteligente, articulada, mas negacionista do Holocausto, um cara homofóbico, pedófilo e que se diz caçador de homossexuais. Não sou médico, mas tem um postura de um louco psicopata.”

 Foto: Divulgação/Polícia Civil do Rio/UOL

A polícia procura um local seguro e adequado para poder conservar a coleção apreendida.

“É algo impressionante e jamais visto por aqui. Não só pela quantidade apreendida, mas pela preciosidade. Obras de arte, fardas e armas originais da Alemanha nazista e muito, mas muito mais. Ele é de um família de posses. Os pais eram investidores e parte da herança ele usava para essa coleção nazista”, acrescentou Armond.

“Isso tem que ir para um museu. É algo totalmente fora do normal e espantoso”, concluiu o delegado.

*Reportagem UOL/Reuters