Professores e governo não chegam a um acordo e greve continua

Negociações continuam sem data definida

professores paralisam atividades
Imagem: Ilustrativa/divulgação

Apesar da reunião realizada nesta segunda-feira (3) entre representantes do governo federal e entidades sindicais que representam os professores das universidades federais, as partes ainda não chegaram a um acordo sobre o reajuste salarial da categoria.

A proposta realizada pelos servidores ao governo Lula é de um reajuste salarial em 3,69% em agosto de 2024, 9% em janeiro de 2025 e 5,16% em maio de 2026. Porém, o MGI afirma não ter mais espaço no orçamento para ofertar o aumento salarial ainda neste ano e propõe dois reajustes, o de 9%, em 2025 e um de 3,5%, em 2026.

O acordo firmado entre o governo e a Federação de Sindicatos de Professores (Proifes) no dia 27 de maio foi anulado na semana passada pela Justiça, a pedido do Sinasefe e do Andes-SN, que representam outras categorias de docentes.

As paralisações dos professores das universidades federais iniciaram em 2 de abril e ganharam força no dia 15, com a adesão de mais institutos. Já os técnico-administrativos estão em greve desde 18 de março.

O Ministério da Gestão e da Inovação (MGI) informou que as discussões com os professores continuarão, mas não definiu uma nova data para a próxima reunião.



Veja mais notícias no blogdovalente.com.br e siga o Blog no Google Notícia