Bolsonaro: “Não vou dizer que não precisa de professor, mas o excesso atrapalha”

                                                              Foto : Marcos Corrêa/PR

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) reclamou, nesta quinta-feira (16/9), da quantidade de contratação de professores em governos anteriores ao seu.

A fala aconteceu, em conversa com apoiadores na entrada do Palácio da Alvorada, depois de um homem dizer que ainda havia “muito comunismo nas escolas”.

“A Dilma fez um concurso pra 100 mil [pessoas] na educação”, disse o presidente. “Eu não vou entrar em detalhes aqui, mas o Estado foi muito inchado. Eu não vou dizer que não precisa de professor, mas o excesso atrapalha”, afirmou Bolsonaro. “Você não vê mais livros que os pais não gostariam que os filhos tomassem conhecimento na escola. E isso não é pouca coisa não, é o futuro”, discursou ele.

“Vocês não ouvem falar em corrupção há dois anos e meio, né? [Isso] Custa caro pra caramba pra mim. Quem perdeu, o tempo todo me persegue. E não só a mim, as a família também”, emendou, em seguida, o presidente.
*Metrópoles