Bolsonaro pede combate à “cristofobia” em discurso na Assembleia da ONU

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) pediu nesta terça-feira (22/9), durante discurso na 75ª Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), o combate à “cristofobia”.

“A liberdade é o bem maior da humanidade. Faço um apelo a toda a comunidade internacional pela liberdade religiosa e pelo combate à cristofobia”, pediu o mandatário brasileiro.

Bolsonaro, que se diz católico, afirmou que o país está preocupado. Pontuou ainda que repudia o terrorismo em todo o mundo. Ele não citou, porém, qualquer outra religião que não seja o cristianismo.

Ao finalizar o discurso, Bolsonaro ressaltou que “o Brasil é um país cristão e conservador e tem na família sua base”. “Deus abençoe a todos”, prosseguiu o chefe do Executivo.
O presidente prestou solidariedade ao povo do Líbano pelas recentes adversidades sofridas e saudou o Plano de Paz e Prosperidade lançado pelo presidente dos EUA, Donald Trump.

“Trump tem uma visão promissora para, após mais de sete décadas de esforços, retomar o caminho da tão desejada solução do conflito israelense-palestino”, frisou.

“A nova política do Brasil de aproximação simultânea a Israel e aos países árabes converge com essas iniciativas, que finalmente acendem uma luz de esperança para a região”, assinalou o titular do Planalto.