Governo Bolsonaro defende Trump e não tem ‘plano B’ após eleição americana

O governo brasileiro não tem uma posição definida caso Joe Biden vença as eleições presidenciais dos Estados Unidos. Uma eventual derrota de Donald Trump, principal aliado de Jair Bolsonaro no âmbito internacional, derrubaria a única aposta da diplomacia do país. De acordo com a colunista Bela Megale, do jornal O Globo, diplomatas avaliam que, diante da possível vitória de Biden, Bolsonaro tem dois caminhos: ou renega suas crenças antiglobalistas e negacionistas em relação ao meio ambiente, direitos humanos e democracia, ou investe em uma estratégia de confronto que acarretará problemas para o Brasil.

A análise de parte do Itamaraty é que, mesmo se Trump ganhar, a vida do Brasil não será fácil por conta da provável vitória do partido Democrata no Congresso, que já conta com maioria democrata na Câmara. No Senado, pesquisas apontam que o partido deve ter ampla maioria diante dos Republicanos.

Segundo a jornalista Andreia Sadi, do portal G1, integrantes do governo Bolsonaro acompanham os últimos lances da campanha eleitoral americana e defendem que, se houver uma virada na política dos EUA, sem Donald Trump, o governo brasileiro adote uma “mudança de discurso” em diferentes temas, entre eles a agenda ambiental.

Nas palavras de um assessor presidencial brasileiro, se Joe Biden vencer, a política de Ricardo Salles — que executa ordens do presidente Jair Bolsonaro — ficará ainda mais questionada e pressionada, enfraquecendo um dos pilares da agenda da ala ideológica bolsonarista.

Metro1