Justiça nega pedidos de Trump para suspender contagem de votos

 

Passados dois dias da eleição nos EUA, ainda não se sabe quem é o vencedor na disputa pela Casa Branca. A contagem de votos continua, mas a campanha à reeleição do presidente Donald Trump sofreu duas derrotas judiciais hoje: uma em Michigan e outra na Geórgia. No primeiro estado, a juíza Cynthia Stephens negou um pedido feito pela equipe do republicano para tentar interromper a apuração. A decisão será formalizada por escrito amanhã.

Mais de 98% dos votos já foram computados em Michigan, segundo cálculos da Associated Press. Até as 16h, o democrata Joe Biden aparecia com 50,6%, quase três pontos percentuais a mais do que Trump (47,8%), e já era apontado como vencedor dos 16 delegados do estado.

O caso da Geórgia é semelhante: o juiz James Bass rejeitou o processo aberto pela campanha de Trump para interromper a contagem de votos no estado, onde a disputa é ainda mais acirrada: o atual presidente está apenas 0,3 ponto percentual à frente de Biden.

Em seu recurso, Trump pediu o cumprimento das leis sobre o voto pelo correio, ao levantar suspeitas sobre 53 cédulas que não fariam parte de um lote original. A ação, no entanto, foi indeferida por Bass, do Tribunal Superior do Condado de Chatham, que ainda não deu mais explicações sobre sua decisão.

A campanha de Trump lançou um ataque judicial em vários estados-chave para as eleições, em meio a uma disputa acirrada com o rival democrata. Com 253 delegados, Biden precisa conquistar mais 17 votos no colégio eleitoral para atingir o mínimo de 270 e vencer; Trump ainda tem 214.

Fonte: Uol