“Farinha do mesmo saco”, diz presidente do PT na Bahia sobre possível aliança entre ACM Neto e Bolsonaro em 2022

O presidente do PT na Bahia, Eden Valadares, afirmou nesta quarta-feira (3) que o ex-prefeito de Salvador, ACM Neto, já não sustenta mais a “suposta” imagem de independente que vinha mantendo em relação ao governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Valadares disse que o presidente do DEM teve uma postura lamentável ao “trair” seus aliados e aceitar o “toma-lá-dá-cá” do chefe do Executivo para abandonar o bloco de apoio a Baleia Rossi (MDB-SP), candidato de Rodrigo Maia (DEM-RJ), na disputa pela presidência da Câmara dos Deputados.

A um dia da eleição, o partido anunciou que liberaria a bancada na votação —movimento que enfraqueceu Baleia e que culminou com a vitória de Arthur Lira (PP-AL), nome ungido por Bolsonaro.

“Olha, não dá mais para disfarçar: ACM Neto e Bolsonaro são farinha do mesmo saco. A suposta imagem de independente que o presidente do DEM vinha interpretando até aqui ficou insustentável. A Bahia e o Brasil viram ACM Neto trair seus correligionários e aceitar o toma-lá-dá-cá de Bolsonaro”, avalia Eden, que também critica a possibilidade de a sigla comandada por ACM Neto apoiar a reeleição do atual mandatário em 2022, conforme noticiou a colunista Mônica Bergamo, no jornal Folha de S. Paulo.

Segundo a publicação, tal hipótese é abordada com naturalidade por parlamentares do partido, que evitavam falar do assunto antes da derrota do sucessor de Maia, que, por sua vez, culpa o político baiano pelo revés.

“Ele [ACM Neto], que já gostava de ter indicado cargos para o Denocs, Codesvaf etc, agora dizem que vai tentar emplacar ministro. Ganhou até apelido novo: ACM ‘Boquinha’ Neto. Postura lamentável, a mais pura velha política”, ironizou Eden, ao mencionar adjetivo usado por Maia.

“Mas, vendo pelo lado bom da coisa, fica claro para a sociedade baiana quem é quem: de um lado, ACM Neto e Bolsonaro, farinha do mesmo saco; do outro, Rui Costa, Jaques Wagner, Otto, Lídice e todos que são a favor da vacina, da vida e contra esse desgoverno federal”, declarou o presidente do PT-BA.

Depois de ser chamado de traidor por antigos aliados e de ser criticado pelo ex-presidente da Câmara, ACM Neto não terá mais confiança após “agir pelas costas”, teria ouvido o gestor soteropolitano de deputados do próprio partido.

Em declarações públicas, ACM Neto repete que o DEM não faz parte da base do governo e afirma que a legenda nunca interferiu para que seus quadros integrassem a gestão bolsonarista. Atualmente, a sigla, conta com ao menos dois quadros na Esplanada dos Ministérios —Onyx Lorenzoni (Cidadania) e Tereza Cristina (Agricultura).

*Bahia.Ba