SAJ: feirantes reclamam de aviso de interdição nos boxes; secretária afirma que se trata de recadastramento

feira1
feira2
feira3
feira4
feira5

Comerciantes do Galpão de Agronegócios na Feira Livre de Santo Antônio de Jesus foram surpreendidos  na manhã desta terça-feira (14), após terem seus estabelecimentos interditados pela prefeitura. Alguns alegam que não foram avisados com antecedência.

“Não fomos avisados previamente sobre isso. Eu estive no SAM e me informaram que nossos boxes não seriam fechados. Somos Legalizados e me disseram que meu nome não constava. Aqui tem gente que não consegue nenhuma venda. Passamos por tempos difíceis, mas cumprimos com a nossa obrigação”, disse a comerciante Carla.

Segundo o responsável pela fiscalização da Secretaria de Agricultura, Raimundo Nonato, nenhum estabelecimento será fechado, apenas é necessário que todos os donos de box façam seu recadastro.

O Galpão de Agronegócio é um espaço amplo e com vendas diversificadas como produtos importados, eletros, confecções e utilidades domésticas.

“Estamos com planos de recadastramento de toda a feira livre. O prefeito, em sua campanha, anunciou o seu desejo de tornar a feira um Cartão Postal. Esta interdição não é por falta de pagamento ou para que elas não trabalhem. Nosso critério é que todos façam seu recadastro. É de interesse da gestão que as coisas sejam feitas na legalidade”, disse Nonato.

Ainda conforme o servidos, um ponto do SAM foi instalado na Feira Livre para facilitar o acesso a informação de todos os comerciantes.

Ainda conforme Raimundo Notado, servidor da prefeitura, todos os box que estiverem com o informativo poderão abrir e trabalhar normalmente.

“Essa interdição não é de forma rígida, eles podem abrir os estabelecimentos. Estamos aqui para ajudar, porém é preciso que todos façam seu cadastro para que possamos conhecer cada comerciante e a que box pertence”, explicou Raimundo Nonato

Ao radialista Léo Valente do Programa Levante a Voz, a secretária de Agricultura, Nil Correia explicou que todos os setores estão cientes porque foi divulgado pelos meios de comunicação e notificados há três meses pela equipe da Secretaria.

“Não estamos exigindo quitação de dívida alguma. O que nós queremos apenas é que a pessoa prove que está à frente daquele ponto nos apresentando uma certidão. Muitas barracas dessas estão fechadas, procuramos os donos e não parecem, por isso colocamos os cartazes para chamar a atenção. Caso não apareçam vamos precisar tomar outras medidas”, disse.

De acordo com ela, a medida é uma forma de convocar para o recadastramento, sem impedir o funcionamento das barracas.

“Preciso conhecer os permissionários da feira livre, quantos têm e quem são para sentar com o secretário de infraestrutura e arquitetos e projetar a reforma da feira. Não é uma coisa nova para eles. Nesse momento eles podem funcionar”, frisou.