Dólar fecha em alta com cautela por cena política local e exterior

O dólar subiu nesta quinta-feira (21), com cautela ligada à cena política local, de olho na tramitação da reforma da Previdência no Congresso, e ao exterior.

A moeda norte-americana subiu 0,78%, vendida a R$ 3,7623.

Em fevereiro, o dólar já subiu 2,85%. No ano, no entanto, acumula queda de 2,89%.

Após pregão volátil da véspera, em que se conheceu detalhes sobre a proposta de reforma da Previdência, entregue pessoalmente ao Congresso pelo presidente Jair Bolsonaro, o mercado retomou o compasso de espera, aguardando o início da tramitação da matéria, destacou a Reuters.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou na quarta-feira que tentará instalar a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), onde a proposta começará a tramitar, já na próxima terça-feira.

“Uma coisa é ter sido entregue, agora vamos para o segundo passo, que é conseguir votos, um processo mais demorado… o governo só vai querer votar quando tiver certeza que tem os votos necessários”, afirmou à Reuters o gerente de câmbio da Tullett Prebon, Italo Abucater.

A proposta chega ao Congresso em momento de cautela com o cenário político, especialmente no que diz respeito à capacidade de articulação política pelo governo, o que levanta questões sobre quanto do texto original proposto conseguirá ser mantido.

“A meta de economia de R$ 1,07 trilhão em 10 anos é extremamente ambiciosa, evidenciando que as reformulações das regras propostas têm a pretensão de dar solução completa à problemática da Previdência no país, mas não podemos deixar de considerar que os debates e embates poderão provocar desidratação de alguns dos seus pontos mais relevantes e com isto reduzir esta objetivada meta”, explicou o diretor-executivo da NGO Corretora, Sidnei Nehme, em nota.

Na véspera, até mesmo parlamentares mais identificados com o governo fizeram críticas públicas à proposta, citando, por exemplo, a decisão de não incluir mudanças nas aposentadorias dos militares.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse na quarta-feira que ficará surpreso se parlamentares fizerem grandes alterações ao texto de reforma da Previdência proposto pelo governo.

*G1 – Editado por Blog do Valente