Governo corta bolsa para alunos indígenas e quilombolas

Calouros universitários indígenas e quilombolas de todo o país correm o risco de abandonar os estudos.

Segundo o G1, por corte de verba, o governo federal interrompeu novas bolsas do PBP (Programa Bolsa-Permanência), uma ajuda mensal de R$ 900 para moradia, alimentação e material escolar.

Pelo menos 2,5 mil estudantes são prejudicados até aqui, mas o número pode atingir 5 mil até o final do ano letivo.

Desde o início das aulas, em março, os novos universitários não receberam nenhuma parcela da bolsa, nem conseguiram inserir os nomes no sistema do programa como candidatos à ajuda, de acordo com a comissão de estudantes.

Criado em maio de 2013 pelo MEC (Ministério da Educação), o PBP já permitiu acesso a mais de 18 mil estudantes.

*M1