Prefeitura cobra mais efetivo policial após população descumprir toque de recolher em Morro de São Paulo

 

A prefeitura de Cairu, no Litoral Sul da Bahia, reclamou, por meio de nota, de uma suposta falta de efetivo policial, após estabelecimentos serem flagrados descumprindo o toque de recolher em Morro de São Paulo. A gestão destacou que a determinação é o cumprimento do decreto.

“[…] Lamentavelmente o número de policiais militar para atender todo o arquipélago é insuficiente. Novas demandas, como o toque de recolher e ações de fechamento do comércio informal gerados pelo Decreto nº 20.254 do Governo do Estado, requer um efetivo maior. A  logística é de difícil execução, principalmente por se tratar de um município arquipélago”, diz trecho da nota.

A restrição das atividades não essenciais começou na sexta-feira (26) e segue até as 5h de segunda-feira (1º). A gestão estadual diz que essa é uma tentativa de conter o avanço da Covid-19. O estado tem enfrentado o aumento do número de casos da doença e uma alta demanda por leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

“Apesar dessas limitações, a Prefeitura tem tomando providências para que as irregularidades sejam sanadas. Dentro das ações determinadas pelo município, a Vigilância Sanitária intensificou desde o dia 1º de janeiro a fiscalização em bares, restaurantes, pousadas, hotéis e o comércio em geral em toda Cairu, inclusive no período noturno, com campanhas de sensibilização e distribuição de máscaras”, diz outro trecho da nota da prefeitura.

A reportagem entrou em contato com a assessoria de comunicação da Polícia Militar, mas ainda não obteve um posicionamento.

Confira abaixo a nota da prefeitura de Cairu na íntegra:

A Prefeitura de Cairu informa que em relação a matéria divulgada neste sábado (27), sobre o comércio informal aberto em Morro de São Paulo, a determinação do município é o cumprimento de todos os decretos do Governo do Estado, sobretudo os relacionados aos protocolos sanitários para conter o contágio do novo coronavírus, responsável pela Covid-19. 

No entanto, lamentavelmente o número de policiais militar para atender todo o arquipélago é insuficiente.  Novas demandas, como o toque de recolher e ações de fechamento do comércio informal gerados pelo Decreto nº 20.254 do Governo do Estado, requer um efetivo maior. A
logística é de difícil execução, principalmente por se tratar de um município arquipélago. 

Apesar dessas limitações, a Prefeitura tem tomando providências para que as irregularidades sejam sanadas. Dentro das ações determinadas pelo município, a Vigilância Sanitária intensificou desde o dia 1º de janeiro a fiscalização em bares, restaurantes, pousadas, hotéis e o comércio em geral em toda Cairu, inclusive no período noturno, com campanhas de sensibilização e distribuição de máscaras.

O município solicita ao moradores e visitantes que se atenham a necessidade de  confinamento neste momento crítico. Que se respeitem os protocolos de segurança, para minimizar os efeitos dos danos que está pandemia tem causado. 

*BNews