De férias na Bahia, capoeirista que vivia na França é morto em assalto na Ilha de Itaparica

O sonho era voltar às águas tranquilas da Praia de Barra Grande, em Vera Cruz, um dos municípios na Ilha de Itaparica, onde construía uma casa mesmo morando a 7.866 quilômetros de distância. Esse era o plano do capoeirista André Conceição Azevedo, 45 anos, que vivia na França. Lá, ele ganhava a vida como trabalhador da construção civil. Aqui, de férias para ver os parentes, ele perdeu a vida com um tiro no peito durante um assalto na ilha.
O crime aconteceu no dia 11 deste mês, três dias antes de André retornar à cidade francesa de Bordeaux. “Isso é muito doloroso. Ele saiu de lá para morrer aqui. Ele era uma pessoa maravilhosa, cheia de sonhos. O que ele mais queria era voltar à Barra Grande, tanto que estava construindo uma casa. Foi para a Europa para trabalhar, constituir uma família e quando vem de férias para ver os parentes, acontece uma tragédia dessas”, declarou um primo de André na manhã dessa terça-feira (20).
A Polícia Civil disse que André, na companhia de uma mulher, foi a uma casa negociar com um homem a prestação de um serviço. Logo depois, ainda durante a conversa, dois homens entraram no local e renderam os três levando-os para o banheiro. “Ao entrar no cômodo, André reagiu à investida, batendo a porta, e foi baleado. A dupla de criminosos levou uma TV e os três celulares das vítimas. Os investigadores da 24ª Delegacia (Vera Cruz) apuram a autoria do crime”, diz nota da PC. Até o momento, ninguém foi preso.
Assalto
André era capoeirista, pedreiro e pescador na Bahia, mas em 2016 foi para Londres, na Inglaterra, e depois passou a viver em Bordeaux, onde trabalhava como pedreiro numa empresa que constrói casas. Tinha uma modesta casa e um carro do ano. No entanto, nas horas vagas, se juntava com outros brasileiros em rodas de capoeira para difundir a cultura baiana.
Fonte: Correio