Morro de São Paulo e Boipeba poderão ter eventos de réveillon

Morro de São Paulo e Boipeba poderão ter eventos de réveillon
Foto: Victor Silveira/TV Bahia

As ilhas de Morro de São Paulo e Boipeba, tradicionais destinos turísticos da Bahia que pertencem ao município de Cairu, estão liberadas para realização de eventos de réveillon na virada de 2021 para 2022.  O anúncio é da prefeitura de Cairu, através de uma publicação nas redes sociais nesta quarta-feira (28).

Na nota, a prefeitura ressalta que apenas duas festas estão autorizadas, uma em Morro e a outra em Boipeba. Disse também que a liberação é em caráter condicional ao controle da pandemia da Covid-19 e protocolo da Vigilância Sanitária.

De acordo com a prefeitura, qualquer anúncio de festa sem autorização municipal será considerada clandestina e estará passível de punições e multas. Eventos de grande porte estão suspensos na cidade por causa da pandemia.

Não há detalhes se apenas esses dois eventos solicitaram liberação de realização, nem o motivo pelo qual somente duas festas poderão ocorrer nas ilhas.

Através de mensagem, o prefeito de Cairu, Hildécio Meireles, informou que as festas poderão ser realizadas em obediência às regras que o município possui.

“Regras essas, editadas ainda do mandato que se encerrou em dezembro passado. Pretendemos implementar novas regras para regulamentar os eventos privados a partir do ano que vem”, informou.

Nas redes sociais, o assunto tem sido polêmico. Os moradores das ilhas questionam os eventos e pedem consulta pública para a realização das festas.

Na postagem da prefeitura, por exemplo, uma pessoa escreveu: “Que festa é essa “Réveillon Boipeba 2022″ que nem a comunidade da ilha de Boipeba está sabendo? Houve consulta pública por parte da empresa e prefeitura? Essa festa tem o apoio da comunidade? Um evento confirmado na ilha de Boipeba que nem os meios de hospedagem, receptivo, carregadores e comércio em geral estão sabendo?”.

Outra pessoa também comentou: “Apenas festa que querem, sem saber o melhor pra comunidade, quem vai se beneficiar com isso?”.

Fonte: G1 Bahia