Parentes e amigos de professor agredido pedem justiça em protesto

Amigos e parente do professor de educação física Leandro Chaves, 31 anos, agredido com pauladas na cabeça dentro de um condomínio no bairro de Itapuã, em Salvador, realizaram uma manifestação na manhã deste sábado (5) para pedir justiça. A vítima sofreu um traumatismo craniano e está internada na Unidade de Terapia Intensiva do Hospital São Rafael.

manifestacao-2
Parentes e amigos de professor fizeram oração após
caminhada em Salvador (Foto: Vivy Andrade/Arquivo
pessoal)

Com cartazes, os manifestantes fizeram uma caminhada e depois se reuniram para uma oração no Jardim de Alah, na capital baiana, em frente ao local onde Leandro dá aulas. Alunos também participaram do ato, organizado por meio de redes sociais.

“Fizemos uma oração pela vida dele e pedimos paz e justiça. Queremos que a pessoa que fez isso com ele pague”, disse Hugo Leonardo, amigo de Leandro.

Testemunhas afirmam que a confusão que culminou na agressão começou por causa do barulho de uma moto pilotada pelo suspeito, Iuri José Alves de Souza, dentro do condomínio, no dia 27 de fevereiro. Ele estaria conduzindo a moto em alta velocidade.

professor
Leandro Chaves foi agredido a pauladas após reclamar
de barulho de moto. (Foto: Arquivo pessoal)

O professor de educação física apresentou pequena melhora no estado de saúde, mas o quadro dele ainda é considerado grave e inspira cuidados. De acordo com a noiva de Leandro, Paula Carvalho, que tem casamento marcado para o mês de julho, apesar de não estar mais sedado, Leandro ainda não tem condições de ser ouvido pela polícia.

Versão do suspeito
O homem suspeito de agredir o professor de educação física a pauladas esteve na 12ª Delegacia acompanhado por um advogado, na quarta-feira (2), e foi liberado após o depoimento. Segundo a polícia, ele disse ter agido em legítima defesa. Ao sair, o suspeito usou uma camisa para esconder o rosto. Ele não falou com a imprensa.

iuri_jose
Iuri José Alves de Souza cobriu rosto na delegacia
(Foto: Reprodução/TV Bahia)

O delegado Magalhães, responsável pela unidade policial, afirmou que não havia nenhuma medida preventiva ou temporária contra ele. “Ele tem sua tese de defesa, que seria a legítima defesa. [Iuri] tentou se proteger de uma agressão injusta. Nós vamos constituir outras provas para que a gente possa realmente fazer o inquérito”, disse o delegado no dia do depoimento do suspeito.

Sobre a versão apresentada pelo suspeito, a noiva de Leandro diz que a família prefere não se pronunciar, e ressalta que são assistidos por advogados.

Segundo o delegado Magalhães, Iuri tem passagens pela polícia por agressão e também suspeita de tráfico drogas. O registro é de 2005. Na ocasião, ele foi inocentado da acusação.

video_agressao
Vídeo flagra agressão a professor que reclamou de
barulho de moto (Foto: Reprodução/TV Bahia)

Imagens
A Polícia Civil divulgou o vídeo de câmeras de segurança do condomínio onde o caso aconteceu. As imagens mostram que a briga foi iniciada após uma discussão entre Leandro e Iuri. Testemunhas afirmam que a confusão começou por causa do barulho de uma moto pilotada por Iuri dentro do condomínio. Ele estaria conduzindo a moto em alta velocidade.

As imagens mostram o suspeito de agressão, Iuri José Alves de Souza, pilotando uma moto dentro do condomínio. Em seguida, percebe-se que Leandro sai de casa e vai em direção ao motociclista. Por meio da gravação, a polícia afirma que ambos começam a discutir.

Leandro vai em direção à casa, mas Iuri pega um objeto no chão e bate duas vezes contra a cabeça da vítima. A polícia diz que o objeto usado foi um pedaço de madeira. Para o titular da 12ª Delegacia, Antônio Carlos Magalhães, trata-se de uma tentativa de homicídio.

Após a briga, a polícia detalha que o agressor chegou a prestar uma denúncia contra a vítima. “É claro que a versão que está contida na ocorrência ela não é verdadeira, pelo fato de que as imagens provam exatamente o contrário. A família e outras pessoas do Leandro deram outra versão. Já está sendo apurado e será encaminhado para a polícia criminal”, afirma. (G1Bahia)