Virado no estopor: música da Bahia é cheia de sotaque e leva pro palco o que se fala na rua

O cantor e compositor Magary Lord, 40 anos, é tão cheio de história que resolveu criar e batizar seu próprio linguajar – para além do baianês. Pra falar de boa com ele tem que aprender o dicionário magarístico, que tem bordão como a porra.  “Essa coisa da linguagem coloquial é muito natural pra mim. Então, como eu falo minhas próprias gírias e meus bordões, brinco que botei tudo junto no dicionário magarístico”, revela o homem do black semba.

É cada comédia retada. Se ligue nos exemplos: “ieba” quer dizer “bora”; “champlis” significa bróder, mas só para os colegas do Alavontê; “pegada de Dodó” pode ser traduzido como “ter pegada boa”. Tem até uma exclusiva pra chamar Saulo Fernandes: “ô, chain, vem cá”.  “Minha música é assim também, é cotidiano, bate-papo, gargalhada”, explica Magary, dizendo que herdou esse talento pro improviso da mãe. “Eu sempre ouvi ela falar desse jeito, inventando moda, e barbatei dela. Aí, ó, barbatar significa pegar”, completa.

Magary traz Saulo pra roda e não deixa ninguém esquecer que o bróder é cheio de baianidade, exatamente como sua música. Zero folclore, Saulo é um menino baiano no jeito descansado, na maciota do falar e nas composições, texto que ultrapassa o Carnaval mas leva o público pra rua, faz a gente ouvir nossa voz num baianês quase poético atrás do trio elétrico.

No último álbum, Baiuno, ele faz um 3×4 de si – e de todos nós. Na música Veloso Cidade, por exemplo, Saulo se declara: “soteropolitano  sim/ ser de Salvador/ beleza, brisa/ gentileza, sorriso/da menina retada/ que não come reggae/mas samba no pé…/… e assim baianidade segue”. Em Raiz de Todo Bem, ele não conta conversa: “baiano sou eu, é você, somos nós/oxente, cê num tá vendo que a gente é Nordeste?/cabra da peste/se plante/lá vem rasteira”.

Dê um saque na figura: percussionista gente boa, pagodeiro brocador, presepeiro cheio de moral. Não precisa nem abrir a boca pra dizer quem é, cê já sabe colé de merma.  Márcio Victor, 35 anos, líder do Psirico, tem baianidade pra dar e vender. “Eu sou muito local, tenho cara, jeito e manha de baiano. Chego num lugar e as pessoas já sabem. É uma coisa que a gente defende, que traz como informação. Na música do Psi, por exemplo, a baianidade é juntar as coisas de Salvador com as do interior porque a música da Bahia é uma coisa só. E aí faz um pop baiano, bota uma pimentinha que o Psi tem”, diz.

É o tal do xenhenhém, né, não? Ou seria um lepo-lepo? De repente, até pode mexer o balaio pra ver no que é que dá. Mas, vá devagar porque ir até o chão na pegada de Márcio Victor pode ser esparro: “Baiano é tomar banho de folha e rezar, é ser de boa, da paz. Mas quando briga… Aí o bicho pega, né, mãe?”  Vá, sacana, dê testa.

Banho de folha, aliás, é a realidade do trio de rappers do Opanijé, que, se ligue, mistura hip hop americano com a cultura afro-brasileira. No som, além do rap tradicional, tem toque de candomblé, sambão, pagode e batida de bloco afro. Daí, rola uma identidade única. “O local é a melhor forma de ser global. O rap americano soa natural porque é a música que faz parte do cotidiano deles. A gente procura fazer a mesma coisa”, larga o doce Lázaro Erê, 36, cantor e principal letrista do Opanijé.  A mistura é massa, leve fé.

A rima tá fincada no fundamento do terreiro: “Um brinde com água de cheiro ao povo que trabalha/que não comete falha, doutor veste palha/sabe como é, cheio de axé, no Olubajé, dança Opanijé/vos apresento a cura, o rei do Daomé”.  O rap tem uma linguagem bem específica, com gírias conhecidas nacionalmente. ‘Mano’, por exemplo, não usamos.  Aqui, a gente fala ‘véi’. Nossa linguagem é muito oral”, diz Lázaro.

Ele conta que se diverte quando os rappers de fora resolvem se enturmar, repetindo gírias de Salvador: “É engraçado, tem gente que fala com a gente coisas que se não usa mais, como ‘meu rei’, ‘rebentão’”…

“Tá de calundu, de cara feia, zangada comigo?” A pergunta, que já tem uma explicação bem clara, vem de Russo Passapusso, vocal da BaianaSystem.  A banda que lança novo álbum hoje (29/3), dá aula quando o assunto é baianês. Com Calundu, por exemplo, você pode estudar e tirar nota dez. Na letra, os caras brincam com tiradas clássicas como ‘pega pra capar’, ‘se não guenta pra que que veio’ e, o melhor, transformam o deixe de história em ‘desdehistória’. Olha aí se não é aula: “Abusar do buzu fica feio Mané/Coletivo tá lotado e eu não vou mais a pé/Puxo a cordinha preciso parar/No final de linha da Praça da Sé.

Como o próprio nome diz, a BaianaSystem tem DNA bem baiano na formação de sua música. Mas, como o guitarrista Roberto Barreto, 44, faz questão de frisar, o som não é só o que vem de Salvador. “A música baiana é mais ampla que isso, a gente usa elementos que fazem parte da nossa cultura. Quando a gente vai tocar fora do Brasil e as pessoas identificam nossa identidade isso é uma coisa muito forte”. E isso, véi, é baianidade.

Glossário:

Cheio de história – que tem muita conversa, cheio de invencionice

Conversa mole – não está para brincadeira

De boa – tranquilo

Como a porra – muito

Comédia – coisa engraçada

Inventar moda – ser criativo

Retada – danada

Bróder – amigo

Ter pegada boa – dar no couro (no sentido sexual)

Maciota – tranquilidade

Dar um saque – olhar

Brocador – pessoa muito boa, excepcional

Presepeiro – cheio de graça

Cheio de moral – pessoa considerada por muitos

Gente boa – pessoa legal

Colé de merma – explicação

Mexer o balaio – mexer a bunda, rebolar

Esparro – fria, roubada

Vá sacana – pagar pra ver

Dê testa – pagar pra ver

Mãe – garota, mulher, querida

Largar o doce – contar

Massa – legal

Levar fé – acredite, creia

Meu rei – cara

Rebentão – que é muito bom

Boca de zero nove – que é muito bom

Calundu – mau humor

Pega pra capar – briga

Se não guenta pra que que veio – não faça nada que não pode ter resultado

Buzu – ônibus

Coletivo – ônibus

Véi – cara