Pedágio da BA-099: condutores ficam insatisfeitos com reajuste

Ano novo, preço novo. Foi assim que a população de Salvador e região metropolitana e que trafega pela BA-099 acordou nesta terça-feira, 5. O susto com os novos valores do pedágio, que passaram a valer nesta terça, foi devido a um processo natural de reajuste anual. As tarifas da rodovia sofreram um aumento de 2,44% em todos os seus valores e isto se deu por causa da resolução nº 59 da Agência Estadual de Regulação de Serviços Públicos de Energia, Transportes e Comunicações da Bahia (Agerba) que estabelece essa readequação. Condutores que usam diariamente o trecho com pedágio da Concessionária Litoral Norte (CLN) ficaram muito insatisfeitos, principalmente por estar ainda em um cenário pandêmico.

Essa alteração nos preços do pedágio tiveram como base o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) para cada categoria veicular. A tarifa para automóveis, caminhonetes e furgões, por exemplo, que até esta segunda-feira custava R$ 7,00 para dias úteis e R$10,50 para finais de semana, passam a custar R$ 7,20 e R$ 10,80 respectivamente. De acordo com o artista plástico André Dragão, esse aumento “é um absurdo, é uma coisa abusiva. A crise que estamos vivendo, sobre uma pandemia, e as pessoas aumentarem os custos, em um ano aumentando tudo, fica complicado”.

Para ele, as pessoas devem ter consciência de que esses valores são revertidos na manutenção das vias, mas André não concorda com isto. “Eu sei que eles usam para manutenção das vias, mas o fluxo é muito grande, não precisavam aumentar os preços agora. Eu ainda vou só nos finais de semana, mas imaginem quem mora por lá, em Arembepe, Itacimirim e tem que descer todos os dias para a capital? Ou àqueles que saem daqui para Camaçari? Fica complicado, não tem como”, afirmou o artista plástico.

Esses recursos são usados pela CLN para administrar as vias que percorrem 217 km de extensão, indo do km 7,5, na ponte Rio Joanes, dividindo Lauro de Freitas e Camaçari, até Jandaíra, divisa com Sergipe. A concessionária ainda oferece serviços de apoio e inspeção nos trechos, atendendo a chamados de usuários em casos de emergências médicas e/ou mecânicas iniciais, além de ser responsável por manter a boa trafegabilidade da estrada concedida. Contudo, segundo o gerente de vendas Anderson Jesus, nem sempre as coisas funcionam corretamente.

Ao se envolver em um leve acidente, o gerente foi auxiliado, mas acabou saindo no prejuízo. “Eu estava viajando e acabei colidindo com um cone da concessionária. Eu fui orientado a procurar a sede e registrar um boletim de ocorrência, mas como o carro era alugado, eles pediram uma procuração da empresa para poderem fazer o reparo. No final tudo saiu do meu bolso”, comentou Anderson. Para ele, esse aumento não condiz com os investimentos na via e tem influência do poder público. “[…] a estrada não é 100% duplicada, por exemplo, os recursos não são bem reinvestidos para a população. Além disso, tem influência do poder público. Havia uma rua pública que as pessoas furavam o pedágio e o poder público fechou”, reclamou Jesus.

Tabela de valores

Para mais informações sobre o aumento nos valores de cada categoria, o usuário pode consultar a tabela de valores no site da Agerba e conferir os novos preços para a sua categoria veicular. A depender do perfil, os valores vão de R$ 3,60 a R$ 43,10 para o tráfego durante a semana (dias úteis) e de R$ 5,40 até R$ 64,70 aos finais de semana e feriados.

Fonte: A tarde