Mais da metade das cidades baianas estão sem transporte escolar

Aulas serão retomadas no dia 26 de julho (Foto: Arquivo CORREIO)

Faltando cinco dias para a volta às aulas na rede estadual, o Governo do Estado informou que vai enviar ônibus e recursos para a contratação do transporte público dos alunos. Segundo a União dos Municípios da Bahia (UPB), 54% das cidades não realizaram licitação, ou ainda estão em processo, para contratação de transporte escolar, procedimento que dura em média de 30 a 40 dias.

Nesta quarta-feira (21), o governador Rui Costa comentou o assunto durante a entrega de um conjunto habitacional, em Salvador. Ele disse que o transporte escolar é de responsabilidade dos municípios, mas que nos próximos dias o Governo do Estado vai entregar cerca de 80 ônibus para serem usados nesse serviço.

“Eu já determinei a aquisição de mais 400 ônibus escolares que nós vamos também doar para os municípios. Até o dia 31 eu pago o transporte escolar aos municípios, e nós mantivemos o valor que seria equivalente para o ano inteiro mesmo restando apenas um semestre de aula. Isso tudo para reforçar o apoio aos municípios para o transporte escolar”, afirmou.

Nesta quinta-feira (21), serão entregues 37 ônibus escolares para municípios localizados em 12 territórios de identidade do estado. O ato será no Centro Administrativo da Bahia (CAB), em Salvador. A compra dos veículos foi possível através de emendas parlamentares. A frota inclui 8 veículos com tração 4×4. Todos os ônibus possuem capacidade para 29 passageiros cada.

No dia 26 de julho os estudantes do ensino médio, do ensino profissional e da Educação de Jovens e Adultos (EJA) retornam às salas de aula. E no dia 9 de agosto será a vez dos alunos do ensino fundamental II. “Nós resolvemos começar com os maiores e depois entram os menores, quando a rotina estiver já estabelecida na escola”, disse.

Segundo a UPB, além da questão do transporte escolar, em quase 60% dos municípios os professores ainda não tomaram a segunda dose da vacina, o que é uma forte reivindicação da categoria. A esses problemas soma-se a realização de licitação para aquisição da merenda escolar, e a adaptação das escolas para cumprir os decretos municipais e estaduais de medidas sanitárias por conta da pandemia.

 

*Correio