Flávio Bolsonaro posta vídeo de Adriano da Nóbrega morto e acusa PM-BA de tortura

O senador Flavio Bolsonaro causou polêmica nas redes sociais nesta terça-feira (18) ao compartilhar um vídeo da autópsia do miliciano miliciano Adriano Magalhães da Nóbrega, ex-oficial do Bope. “Perícia da Bahia (governo PT), diz não ser possível afirmar se Adriano foi torturado. Foram 7 costelas quebradas, coronhada na cabeça, queimadura com ferro quente no peito, dois tiros a queima-roupa (um na garganta de baixo p/cima e outro no tórax, que perfurou coração e pulmões”, escreveu o senador.

Nas imagens, é possível ver um profissional virando o cadáver de Adriano, que está nú em cima da mesa de autópsia. A família Bolsonoro acusa o governo baiano te encomendar a morte do ex-policial.  “Quem foi responsável pela morte do capitão Adriano foi a PM da Bahia, do PT. Precisa dizer mais alguma coisa?”, disse o presidente, que também acusou o governador do estado, o petista Rui Costa, de ter “ligações criminosas”.

O ex-policial militar Adriano Magalhães da Nóbrega, conhecido como ‘capitão Adriano’, foi morto em uma troca de tiros com a polícia na manhã do último dia 9 de fevereiro na cidade de Esplanada, no interior da Bahia. Foragido desde janeiro do ano passado, ele é apontado como chefe do “Escritório do Crime”, milícia suspeita pela morte da vereadora do Rio Marielle Franco (PSOL) e seu motorista Anderson Gomes, assassinados em março de 2018. Além disso, Adriano também é investigado em outras duas frentes.