Em habeas corpus, advogados dizem que Flordelis ‘não é dada a baladas e noitadas’

A defesa da deputada federal Flordelis dos Santos de Souza usou como um dos argumentos no pedido de habeas corpus feito ao Tribunal de Justiça do Rio que a parlamentar não costuma frequentar “baladas” e “noitadas”. A solicitação feita pelos advogados é para que os desembargadores da 2ª Câmara Criminal suspendam a decisão judicial determinando que a parlamentar fique em recolhimento domiciliar noturno (das 23h às 6h) e seja monitorada por tornozeleira eletrônica.

“No caso concreto, a medida de recolhimento domiciliar não é relevante, mas também inaceitável, eis que a acusada não o é dada a baladas, noitadas ou eventos festivos, levando vida morigerada e dedicada, além de suas atividades parlamentares, a manter sua casa em boa ordem, mas se opõe veementemente ao uso de tornozeleira eletrônica”, escreveram os advogados na petição da última terça-feira. Ainda não houve decisão.

Os advogados ainda pediram que caso os desembargadores entendam pela manutenção das medidas cautelares de monitoramento e recolhimento noturno, que elas sejam submetidas ao plenário da Câmara dos Deputados. A juiza Nearis dos Santos Carvalho Arce, da 3ª Vara Criminal de Niterói, ao determinar as medidas na última semana, entendeu que não era necessário que as mesmas fossem aprovadas pela casa.

Nessa quarta-feira, os advogados de Flordelis entraram com um novo pedido no Supremo Tribunal Federal para tentar suspender a decisão de magistrada do Rio. O habeas corpus também não foi julgado.

Flordelis ainda não foi intimada

A deputada federal ainda não foi intimada da decisão determinando o seu monitoramento por tornozeleira eletrônica. Na última terça-feira, após não ter conseguido localizar deputada em seu endereço no Rio, a Justiça determinou que a intimação seja feita em Brasília. Ao tomar ciência da decisão, a parlamentar terá 48 horas para se apresentar à Secretaria de Administração Penitenciária do Rio para que a tornozeleira seja instalada.

Nessa quarta-feira, o Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios recebeu carta precatória solicitando a intimação de Flordelis com urgência, o que ainda não ocorreu.

Com receio de que Flordelis retorne ao Rio nesta quinta-feira, o advogado Ângelo Máximo, assistente de acusação que representa a família do pastor Anderson do Carmo, entrou com um pedido para que também haja tentativa de intimar a deputada em seu endereço no Rio.

Habeas corpus negado

Nessa quarta-feira, o desembargador Celso Ferreira Filho, da 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio, negou pedido de habeas corpus feito pela defesa de Adriano dos Santos Rodrigues, filho biológico de Flordelis. O rapaz também teve pedido de liberdade negado há duas semanas pela juíza Nearis dos Santos Carvalho Arce.

Já o Ministério Público estadual deu parecer contrário à concessão de prisão domiciliar para Simone dos Santos, filha biológica de Flordelis, e Rayane dos Santos, neta da parlamentar. Ambas são acusadas de envolvimento na morte do pastor Anderson do Carmo. Já Adriano não foi denunciado por participação no assassinato, mas por ter se envolvido na fraude de uma carta usada para atrapalhar as investigações do caso.

Fonte: Yahoo