“Sou negra sim”, diz mulher acusada na web de fraudar cotas em concurso da PF

A jovem Glaucielle da Silva Dias, conhecida nas redes sociais como Glau Dias, foi acusada de ter fraudado o sistema de cotas do concurso para agente da Polícia Federal, pelo Centro de Seleção e de Promoção de Eventos, da Universidade de Brasília (Cespe/ Cebraspe), em 2018.

Nesta semana, uma foto de Glaucielle no exame de heteroidentificação viralizou nas redes ao lado de imagens atuais da jovem. Na imagem do dia da banca, a mulher aparece com o cabelo cacheado e pele mais escura, o que levantou suspeitas por parte dos internautas, pela imagem ser diferente das postadas recentemente no perfil dela.

De acordo com os advogados de Glaucielle, as imagens que determinaram a cor da candidata foram feitas pelo próprio Cespe. “A banca responsável pelo exame de heteroidentificação era composta por cinco examinadores, todos integrantes de movimentos negros”, aponta a defesa em documento compartilhado nas redes sociais.

Também nas redes, Glaucielle compartilhou um vídeo defendendo que não fraudou o sistema de cotas e que se considera “negra parda”. “Eu sou negra sim. Negro não é só o retinto. Se você sofreu preconceito, sofreu discriminação em algum momento da sua vida, você é sim. Eu nunca vou falar pra mim que sou branca. Eu não sou. Isso seria renegar minha origem. Sou negra parda”, afirmou.

View this post on Instagram

Compartilhem por favor! 🙏

A post shared by GLAU DIAS | CONCURSO (@glaudiass) on