‘Vistoria dos peritos confirma protocolo de segurança’, diz presidente do INSS

Em meio ao impasse sobre a retomada das atividades presenciais, o presidente do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social), Leonardo Rolim, afirmou à CNN, nesta terça-feira (22), que as vistorias realizadas por peritos confirmam os protocolos de segurança para a retomada.

Na segunda-feira (21), a Associação Nacional dos Médicos Peritos Federais (ANMP) começou a realizar vistorias em agências do INSS e constatou que 87 das 108 agências visitadas têm condições de voltar ao atendimento presencial, enquanto 21 foram consideradas inaptas.

“Nós fizemos um trabalho de forma programada e com muito cuidado, e agora as visitas dos peritos confirmaram o que eu vinha falando desde o início: que o INSS tem um protocolo de segurança sanitária dos melhores que existem no Brasil. Agora eles estão, finalmente, cumprindo sua obrigação e voltando ao trabalho”, declarou.

De acordo com Rolim, as “inspeções confirmaram que as agências estavam adequadas” e que “nenhuma que tivesse sequer um item inadequado foi autorizada a abrir”.

Rolim ainda disse que a vistoria dos peritos foi feita em apenas parte das agências e afirmou não ter sido informado sobre quais pontos foram considerados inadequados pela associação.

“Quando recebermos a informação, passaremos para a sociedade”, frisou. “Se, de fato, confirmarem que há algum problema, essas agências serão fechadas para correção”, acrescentou.

O presidente do INSS ainda informou que o “retorno é progressivo” e que só alguns serviços estão serão realizados de forma presencial neste momento.

“Só alguns serviços estão sendo disponibilizados na agência nesse momento. A maior parte continua sendo feita remotamente pelo INSS”, informou. “Outros serviços podem ser requeridos pelo telefone 135 ou pelo aplicativo Meu INSS, e serão concedidos remotamente pelos servidores do INSS. Nesse momento, são apenas sete serviços nas agências”, acrescentou.

A retomada do atendimento da categoria nas agências estava prevista para até o final da semana passada, mas os peritos recusaram o retorno, alegando falta de condições de trabalho, além de riscos de contaminação pela Covid-19.

Questionado sobre a qualidade dos serviços, o presidente do INSS assegurou que há um “processo permanente de tentar melhorar a qualidade do INSS”.

“Inclusive, estamos discutindo com instituições como o Ministério Público Federal, Ministério Público do Trabalho e Defensoria Pública da União para fazermos um amplo acordo em melhorar cada vez mais a estrutura do INSS, para que o cidadão tenha um atendimento cada vez melhor”, encerrou.

*CNN