Suspeito de falsificar cachaça que custa até R$ 3.000 é preso pela Polícia Federal

Na manhã desta sexta-feira (02), durante uma operação da Polícia Federal, um homem foi preso suspeito de falsificar uma famosa cachaça mineira, que pode custar até R$ 3.000.

Investigadores da PF acreditam que os falsificadores fraudavam a famosa cachaça Havana há pelo menos três anos. A operação conhecida como “Veneno”, cumpre três mandados de busca e apreensão em uma casa, no bairro Caiçara, em Belo Horizonte.

De acordo com a Polícia Federal, durante a operação foi constatado que a bebida era misturada com vários outros produtos. O rótulo da marca original era colocado em garrafas que seriam reaproveitadas e até mesmo achadas nas ruas.

Os agentes ainda contaram que os falsificadores compravam tampinhas novas e envelheciam elas por meio de mistura química, além de falsificar o selo de IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados), da Receita Federal.

No local, um homem foi preso em flagrante e poderá responder pelo crime de falsificação, corrupção e adulteração. As penas podem chegar até oito anos de prisão.

Fonte: IstoÉ