SAJ: medida municipal que proíbe locutores em estabelecimentos comerciais é alvo de protestos

Foto: Tino Alves/Andaiá

Os locutores Romário Souza e Carla Barreto da cidade de Santo Antônio de Jesus protestaram na manhã desta terça-feira (04) contra os decretos municipais que proíbem o exercício da profissão por enquadramento em poluição sonora. Os locutores do município teriam sido informados pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Pela Promotoria de Justiça Regional da proibição da presença desses profissionais nos estabelecimentos comerciais.

Em entrevista ao repórter Tino Alves, Carla falou que a expectativa dos locutores era de levantar um dinheiro agora nas campanhas do Dia das Mães. Neste momento delicado que o país enfrente por causa da pandemia do coronavírus, esta notificação de proibição foi vista como um agravo na situação financeira dos locutores comerciais. “Nos programamos para trabalhar na semana das mães e recebemos o aviso de que estamos impedidos, estamos proibidos de trabalhar. Como é que em plena pandemia ficaremos sem trabalhar?”, questionou a locutora.

Segundo Romário, esta não é a primeira vez que o exercício da profissão é impedido. “E a mesma novela de dois, três anos atrás que se repete. Eles tentaram parar a nossa classe. Nos reunimos, fomos as às emissoras de rádio, brigamos e agora a novela se repete”, disse.

Os decretos que proíbem os locutores em pontos comerciais são os decretos 39/2007 e 40/2007. Atualmente só é permitido som dentro dos estabelecimentos comerciais, e sem músicas.