SAJ: Uberdan afirma que prefeito fraudou licitação da reforma da Praça Renato Machado e presidente da Câmara desdenha: “discussão pequena”

Uberdan aponta mais irregularidades na reforma da Praça Renato Machado e presidente da Câmara desdenha

Após constatar falta de assinatura de comissão licitatória o vereador Uberdan Cardoso, do PT disse em plenária na Câmara de Vereadores na noite desta segunda (22) que o contrato para construção da fonte luminosa da praça Renato Machado está viciado.

Uberdan chegou a informar que a Praça poderia perder a fonte e ressaltou que o contrato com a prestadora de serviço para a construção da fonte não foi assinado pela comissão municipal de licitação, provando assim que há irregularidades.

“Fiz um pedido de busca e apreensão do Processo e o prefeito anulou o processo. Ora, se foi anulado é porque estava irregular. Para piorar, a mesma pessoa que assinou todos os documentos anteriores é a mesma que foi nomeada para investigar as irregularidades. Estamos entregues a ilegalidade e desmandos dentro da máquina pública”, explicou.

 

Um dia após a reinauguração da Praça Renato Machado, Cardoso moveu uma representação criminal contra o prefeito Genival Deolino, onde aponta improbidade nas obras de reforma da Praça Renato Machado.

O vereador contestou os processos para as obras de reforma da Praça e aponta irregularidades na licitação de contratação da empresa responsável pela construção de uma fonte luminosa.

 

O presidente da Câmara e líder do governo na Casa respondeu sobre as colocações apontadas pelo vereador Uberdan Cardoso e classificou como discussão miúda. Chico de Dega (DEM) recordou ainda que, na gestão passada, quando ele era o único edil no legislativo que permanecia na oposição, fez várias colocações e apontou erros, no entanto não foi ouvido.

 

“Essa é uma briga é miúda, muito pequena para um patrimônio que está embelezando a nossa cidade. Com um valor de R$ 14 mil que qualquer empresário daqui de nossa cidade pode até doar e acabar com essa briga.

O vereador faz seu questionamento e a prefeitura se contrapõe.  A administração observou o contrato após o colega observar um erro e cancelou o contrato. O secretariado analisa o que não estava correto e pode cancelar um contrato sim. Seria muita incompetência da prefeitura se ele pagasse o processo. É louvável a postura do vereador que faz seu trabalho de fiscalizar”, rebateu Chico.