Bolsonaro é acionado na Justiça para retirar do ar vídeo em que incentiva invasão de hospitais

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) foi acionado na Justiça para retirar do ar o vídeo em que aparece incentivando pessoas a invadirem hospitais públicos e de campanha para filmar a oferta de leitos durante a pandemia do novo coronavírus (Covid-19).

De autoria do PSOL, a ação civil pública foi apresentada na segunda-feira (15). A convocação do presidente foi transmitida na quinta-feira (11), durante uma live.

“[Se] Tem hospital de campanha perto de você, hospital público, arranja uma maneira de entrar e filmar. Muita gente está fazendo isso e mais gente tem que fazer para mostrar se os leitos estão ocupados ou não. Se os gastos são compatíveis ou não. Isso nos ajuda”, disse Bolsonaro.

Desde este discurso, apoiadores de seu governo começaram a protagonizar invasões de hospitais com o propósito de filmar os ambientes.

Autor da açao, o PSOL define o pedido de Bolsonaro como “incitação criminosa” e justifica o processo como forma de “cessar os danos causados até o momento e impedir novos casos”.

O partido solicita ainda que a Justiça determine a retratação do presidente, também por meio de uma live, para que seus seguidores sejam orientados a não repetir as invasões. A entrada em unidades de saúde sem autorização não é permitida.

O gesto, além de constranger os pacientes, coloca o visitante em risco de contaminação, sobretudo em meio à pandemia de coronavírus. As autoridades de saúde têm recomendado que as pessoas evitem unidades hospitalares para evitar o contágio.

O PSOL pede que o vídeo seja excluído das redes sociais do presidente em até 24 horas. Caso não sejam, que Facebook e Google sejam oficiados para que retirem o material de seus domínios. Com informações da coluna Painel, da Folha de S.Paulo.

*Bahia.ba