TCM pune prefeitos de Valença e Ouriçangas por pagamento irregular a advogados

             Foto: Mateus Pereira/AGECOM

 

O Tribunal de Contas dos Municípios (TCM-BA) julgou, nesta terça-feira (23), a procedência das acusações contra o prefeito de Valença, Ricardo Silva Moura, e o prefeito de Ouriçangas, Antônio Dias Marques, ambos por irregularidades no pagamento ao escritório de advocacia Cordeiro, Laranjeiras e Maia Advogados.

O relator dos processos, conselheiro José Alfredo Rocha Dias, multou os gestores em R$15 mil. Os conselheiros do TCM determinaram a redução – para torná-los compatíveis aos preços de mercado -, dos valores dos honorários advocatícios em todas as ações movidas pelo escritório em favor de ambas as prefeituras. Foi determinada a realização de abrangente pesquisa de mercado para fixação destes novos valores – que devem ser aplicados aos pagamentos com vencimento posterior a essa decisão.

Contudo, o TCM suspendeu pagamentos sobre valores a vencer – a partir da data deste julgamento –, cuja suspensão durará até que ocorra o julgamento de mérito favorável, em segunda instância, com o acolhimento da tese autoral e manutenção dos pagamentos em favor dos municípios de Valença e Ouriçangas, bem como a adequação dos valores aos praticados no mercado, com pesquisa que deve ser previamente apresentada a esta relatoria.

Ainda assim, segundo o conselheiro José Alfredo Dias, esses pagamentos somente poderão ser feitos em quantidade equivalente ao restante para completar o prazo atualmente vigente. Também ficou proibida a celebração de novo aditivo que vise a renovação de pagamentos sobre parcelas vincendas.

Nos dois municípios os contratos tinham o mesmo objetivo: a recuperação e incremento dos repasses de royalties pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). Em ambos os processos, a relatoria considerou irregular o valor da contratação – que fixou as custas dos honorários em 15% do proveito econômico obtido –, por considerar que o percentual seria elevado demais e consumiria importantes recursos públicos dos municípios.

Também foi tido como procedente a irregularidade relativa ao pagamento de honorários com base em decisões precárias – ainda em caráter liminar – e que ultrapassavam o limite de 12 meses em relação às parcelas vincendas.

O Ministério Público de Contas, em suas manifestações, também se posicionou pela procedência parcial dos termos de ocorrência, com a imputação de multa aos gestores pelas irregularidades constatadas durante a análise dos processos. Ainda cabe recurso da decisão.

*Bahia.Ba