Caixa Tem: Veja o que fazer se o dinheiro sumir da sua conta

Conta digital da Caixa pode ser alvo para fraudes, fique atento. Para poder antecipar os pagamentos do auxílio emergencial e do FGTS, a Caixa Econômica Federal vem fazendo depósitos diretos no Caixa Tem. A plataforma está sendo acessada por milhares de brasileiros que precisam realizar transações bancárias de seus benefícios.

Se você teve seu valor tirado indevidamente, fique atento aos possíveis riscos e soluções. O Caixa Tem foi desenvolvido este ano, pela Caixa Econômica Federal, para poder antecipar o pagamento de benefícios emergenciais criados pelo coronavírus.

Atualmente, há duas transições sendo feitas: o auxílio emergencial e o saque emergencial do FGTS. Apesar de parecer seguro, há muitos relatos de retiradas financeiras sem autorização.

Desse modo, a Caixa solicita que os cidadãos fiquem atentos aos locais onde cadastram seus dados e também observem os meios de pagamentos que estão sendo feitos pela plataforma, podendo o usuário, sem saber, autorizar TEDs.

Transferência automática
Uma das funções do Caixa Tem são as transferências automáticas, normalmente elas estão sendo utilizadas pelos segurados que mensalmente pagam contas para um mesmo destinatário.

Ao salvar os números e registrar o TED automático, é importante que você fique atento ao valor e data para saber se estes condizem com o necessário. Há casos em que o cidadão envia quantias maiores e não consegue ter uma restituição.

O que fazer em caso de fraude
Já para quem foi vítima de golpe de fato, há recomendação imediata é ir até uma agência da Caixa. Nesse caso, há um protocolo de atendimento onde o correntista deverá preencher um formulário com a finalidade de coletar informações que ajudem a descobrir a origem da fraude.

A Caixa informa que não pode dar detalhamentos sobre esse procedimento para evitar facilitar sua violação. Dessa forma, o cidadão deve contatar diretamente a instituição e não recorrer a informações disponíveis na internet.

Dicas para evitar fraude

  • não clicar em links recebidos por SMS, WhatsApp ou redes sociais para acesso a contas e valores a receber
  • desconfiar de informações sensacionalistas e de “oportunidades imperdíveis”
  • usar apenas aplicativos e sites oficiais da Caixa ou do governo federal