Estoque de alimentos no Brasil reduz 96% e país perde capacidade de segurar preços

Em 10 anos, os estoques públicos brasileiros de alimentos tiveram uma redução de 96% na média anual, considerando variados tipos de grãos.

Atualmente, o arroz está entre os que mais puxaram a queda na armazenagem. Além dele, o feijão sumiu dos estoques públicos há mais de três anos e a soja não é armazenada desde 2013, de acordo com UOL.

A situação reflete, segundo economistas ouvidos pelo UOL, uma política liberal dos últimos governos, que deixa os preços dos produtos à mercê da oferta e da procura do mercado e da oscilação no valor do dólar, sem interferência do Estado.

Entretanto, o governo afirma que existem custos altos de armazenamento e que os grãos não podem ser adquiridos acima do preço mínimo, como estabelece a legislação.

Os dados da redução dos estoques de grãos estão disponíveis no site da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

Fonte: A Tarde