Professores miseráveis ? – por Gabriel Queiroz

Foto: Reprodução / Nova escola

Para quem serve a escola?
A primeira vista poderia o leitor ter a percepção que haveria um erro de grafia na pergunta, pois relutaria a colocar o que no lugar do quem.
Em tempo de retorno a tudo, o retorno as aulas entra na mira da sociedade, talvez essa seja a última barreira a uma normalidade que ainda figura longe do normal.
De um lado, pais e mães insatisfeitos com o abrupto ensino a distância pouco atrativo e eficiente. Contudo essa ineficiência de forma alguma encontra-se atrelada a falta de dedicação dos professores, que mesmo sem um manual pedagógico de como ensinar e engajar crianças, jovens e adolescentes em sala de aula por meios remotos para a construção do conhecimento, lançaram-se em um mundo desconhecido com aulas por e-mail, whatsapp, meet, teams e outros. Descobriram que os slides, que já se pensara em abandonar nas aulas presenciais, agora teria que voltar com toda pompa e circunstância, porém com uma missão a mais, teriam esses slides, que prender a atenção, simular ações, dentre outras coisas. Simples não! Não! Pois eram professores que não tinham o tempo de aprender as novas mídias, não tinham em muitos casos nem os meios. Eles se esforçaram, eles foram alvo das mais variadas críticas: “Que aula horrível, o garoto não aprende nada.” Só lamento! Não era você que sofria com os microfones abertos e com as perdas de conexão, com as câmeras fechadas e em alguns casos com as câmeras abertas. Senhores! Reclamem, eles até já se acostumaram, mas isso não retira a injustiça. Não transformem os professores em inimigos de ideologias, porque não são. O papel do professor é com o aluno. Por outro lado, não os transformem em amigos de outras ideologias. Ideologia de professor é ensinar. Professores continuam trabalhando em várias escolas, então não tem amigos de um lado ou de outro. Infelizmente são meros captadores de recursos financeiros, quando nas instituições privadas, são meros números quando nas públicas em escolas sucateadas.
Enfim, o problema do mundo acabou, as aulas presenciais estão voltando. Até seria motivo de alegria toda essa preocupação com o retorno das escolas, desde que aprendessem de uma vez por todas que não basta somente cobrar o retorno das escolas, local para deixar os filhos, deveriam também ter essa preocupação com a Educação.

Gabriel Queiroz – professor