Depois de nove anos, deputado vira réu no STF por denúncia de VEJA

João Carlos Bacelar responderá processo no Supremo por peculato; ele é acusado de usar servidoras laranjas para desviar verba de gabinete na Câmara

Em 2011, Veja revelou como o deputado João Carlos Bacelar desviava verbas do próprio gabinete da Câmara a partir da contratação de duas funcionárias laranjas.

O caso, estampado nas páginas da revista com direito a fotos das “funcionárias”, levou o deputado a valer-se do que há de melhor na Justiça em relação aos poderosos: a morosidade.

Eis que quase nove anos depois da revelação de VEJA, o STF decidiu nesta terça tornar Bacelar réu por peculato, o popular uso de cargo público para roubar dinheiro, no caso, também público.

“O denunciado João Carlos Paolito Bacelar Filho, desde o seu primeiro mandato de deputado federal, valendo-se do cargo de parlamentar, desviou, em proveito alheio, verba de gabinete destinada à contratação de pessoal, mediante nomeação de Maria do Carmo Nascimento e Norma Suely Ventura na função de Secretárias Parlamentares”, registrou a PGR em 2017, quando denunciou o deputado ao Supremo.

Nesta terça, a Primeira Turma da Corte decidiu receber a denúncia contra Bacelar por unanimidade. (Veja)