Ex-diretor da PF diz que Bolsonaro ligou para informar que exoneração seria ‘a pedido’

O ex-diretor-geral da Polícia Federal Maurício Valeixo afirmou nesta segunda-feira (11) em depoimento que o presidente Jair Bolsonaro o telefonou para informar que a exoneração dele do cargo seria publicada “a pedido”.

Exonerações publicadas no “Diário Oficial da União” com o termo “a pedido” informam que o ocupante do cargo pediu para deixar a função. Quando o termo não é publicado, indicam que o funcionário foi demitido.

Valeixo foi exonerado do cargo em 24 de abril. A exoneração, publicada “a pedido”, foi assinada por Bolsonaro e pelo então ministro da Justiça, Sergio Moro. O caso levou Moro a se demitir do cargo de ministro.

Isso porque, ao anunciar a saída do governo, Moro afirmou que Bolsonaro havia tentado interferir politicamente na PF ao tirar Valeixo do cargo. Moro disse também que não havia assinado a exoneração de Valeixo nem recebido o pedido de exoneração do então diretor-geral da PF.

As declarações de Moro levaram à abertura de um inquérito, autorizado pelo Supremo Tribunal Federal, para investigar a suposta tentativa de interferência política por parte de Bolsonaro na PF.

Nesta segunda, Valeixo esteve na Superintendência da PF em Curitiba para prestar depoimento.

O depoimento durou mais de seis horas e, conforme a colunista do G1 e da GloboNews Natuza Nery, Valeixo também disse que Bolsonaro queria alguém com “afinidade” na Direção-Geral da PF.

Respondeu que: “Para o depoente [Valeixo], a partir do momento em que há uma indicação com interesse sobre uma investigação específica, estaria caracteriza uma interferência política, o que não ocorreu em nenhum momento sob o ponto de vista do depoente; que em duas oportunidades, uma presencialmente, outra pelo telefone, o presidente da República teria dito ao depoente que gostaria de nomear ao cargo de Diretor-Geral alguém que tivesse maior afinidade, não apresentando nenhum tipo de problema contra a pessoa do depoente; que o depoente registra que o presidente nunca tratou diretamente com ele sobre troca de superintendentes nem nunca lhe pediu relatórios de inteligência ou informações sobre investigações ou inquéritos policiais.”

“[Valeixo disse] que em junho de 2019 foi consultado pelo ex-ministro Sergio Moro sobre a possibilidade de troca do superintendente do Rio de Janeiro, dr. Saadi, pelo dr. Saraiva, então superintendente do Amazonas; [disse também] que segundo o dr. Moro, esse nome havia sido ventilado pelo presidente da República; que não sabe dizer por quais razões o presidente da República teria sugerido aquele nome”, declarou Valeixo em outro trecho.

Depoimento de Ramagem

O diretor-geral da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), Alexandre Ramagem, também prestou depoimento, em Brasília.

Ramagem chegou a ser nomeado por Bolsonaro no cargo de diretor-geral da PF. Mas a nomeação foi barrada pelo ministro Alexandre de Moraes, do STF, que viu desvio de finalidade no ato do presidente da República.

Fonte: G1