Justiça da Itália diz que Robinho manifestou ‘particular desprezo’ por vítima de violência sexual

Reprodução/TV Globo

A Corte de Apelação de Milão divulgou nesta terça-feira (9) o conteúdo da sentença contra o jogador brasileiro Robinho, que foi condenado no final de 2020 em segunda instância a nove anos de prisão por violência sexual em grupo. O documento diz que o acusado e “seus cúmplices” manifestaram “um particular desprezo pela vítima que foi brutalmente humilhada”.

Além disso, a corte alegou que houve uma tentativa de “enganar as investigações oferecendo uma versão dos fatos falsa e previamente combinada”.

O tribunal também condenou Ricardo Falco, amigo de Robinho, a nove anos de prisão.

A sentença levou em consideração a troca de mensagens e escutas em que o atacante fala sobre a noite do crime. O conteúdo investigado e divulgado pelo Globo Esporte.

De acordo com a sentença da primeira instância, em 2017, o jogador brasileiro, Ricardo e outros quatro amigos abusaram sexualmente de uma jovem albanesa de 23 anos em uma casa noturna.

A jovem estaria bêbada “ao ponto de ficar inconsciente” e teve relações sexuais quando não era capaz de resistir.

Ainda cabe recurso na Corte de Cassação, um tribunal de terceira instância. Só então, em caso de condenação definitiva, poderá ser iniciada uma cooperação jurídica internacional para que a pena seja cumprida no Brasil.

*BNews